A Pancreatite Aguda é uma doença inflamatória aguda do pâncreas provocando uma autodigestão da glândula e dos tecidos vizinhos. As duas causas principais são a litíase biliar (50%) e o álcool (50%). As outras causas são uma infecção viral (parotidite…), um traumatismo (cirurgia, gesto diagnóstico…) ou uma obstrução (tumor…).

Epidemiologia da Pancreatite Aguda

A incidência anual é de 50 para 100 000.

Quais os sinais e sintomas da Pancreatite Aguda

A dor é de início brutal, de intensidade variável e crescente, amiúde epigástrica, irradiando para as costas e dobrando o doente em dois (posição “em cão-de-espingarda”). Verificam-se náuseas, vómitos e febre moderada.

Forma de diagnóstico da Pancreatite Aguda

As enzimas pancreáticas sanguíneas (amílase e lípase) estão aumentadas. A ecografia e o scanner abdominal permitem avaliar a gravidade da agressão.

Evolução, Complicações e Prognóstico da Pancreatite Aguda

Distingue-se a forma edematosa (80% dos casos) cuja evolução é simples, da forma necrosante cuja mortalidade pode atingir os 50% (colapso cardiovascular e falência multivisceral). O score de Ranson, utilizando 11 critérios e analisando a evolução clínica, permite avaliar a gravidade da doença.

Tratamento da Pancreatite Aguda

O tratamento sintomático compreende a manutenção em jejum rigoroso e analgésicos. em caso de pancreatite grave, impõe-se uma hospitalização em cuidados intensivos; a cirurgia ou por vezes a endoscopia são por vezes necessárias (evacuação de uma lítiase, eliminação de superficies necrosadas ou de quistos infectados).

Prevenção e Educação na Pancreatite Aguda

O desmame alcoólico é imperativo para evitar as recidivas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *