A hemofilia é uma doença rara, crónica e hereditária que se carateriza por uma deficiência orgânica e congénita, no processo de coagulação do sangue. Quando ocorre uma hemorragia, normalmente o organismo dá uma resposta dividida em duas fases.
Na primeira fase as plaquetas sanguíneas tornam-se viscosas e acumulam-se no local, para formar uma rede de plaquetas. Na segunda fase, a coagulação do sangue repõe a rede de plaquetas instáveis como um coágulo de fibrina quimicamente estável. Todas estas reações são acompanhadas pelos fatores de coagulação. Quando por sua vez, há uma deficiência na quantidade ou uma ausência de algum dos fatores de coagulação, e há um ferimento, ocorre uma interrupção no processo de coagulação, e do qual resulta uma hemorragia descontrolada, demonstra que este indivíduo, é hemofílico.

Epidemiologia da Hemofilia

Hoje em dia, estima-se que cerca de 1 em cada 10000 pessoas nasce com hemofilia, é uma doença hereditária e é uma doença genética ligada ao cromossoma X, daí que quando se transmite, seja quase exclusivamente ao sexo masculino.
A hemofilia é uma doença sem grupos de risco associados, uma vez que na maioria dos casos, a hemofilia já nasce com as pessoas.

Sintomas da Hemofilia

Os primeiros sinais de um indivíduo hemofílico é a duração de um sangramento, quando há um ferimento, ou seja um hemofílico não sangra mais do que uma pessoa normal, apenas sangra durante mais tempo. Um pequeno ferimento para uma pessoa normal, não é fator de preocupação, enquanto que se essa pessoa sofrer de hemofilia, poderá ser um problema bastante grave.

Formas de diagnóstico da Hemofilia

Uma das formas de diagnosticar a hemofilia é através de análises que indiquem as dosagens, dos respetivos fatores de coagulação. A descoberta da doença, poderá ocorrer após um ferimento ou através da análise do historial familiar.

Evolução, complicações e prognóstico da Hemofilia

Ainda não existe cura para a hemofilia, no entanto, a ciência foi evoluindo e hoje em dia, já existem tratamentos que permitem contornar as hemorragias, permitindo que não se verifiquem complicações mais graves, quando há traumatismos.
Desta forma, vai-se melhorando a qualidade de vida dos hemofílicos.

Tratamento da Hemofilia

Esta é uma doença crónica, na qual os tratamentos devem ser adaptados a cada doente. Hoje em dia, há dois tipos de tratamento para os doentes hemofílicos, um tratamento preventivo e um tratamento curativo.
No tratamento preventivo, o objetivo é prevenir as hemorragias e se possível diminuir a sua frequência, preservar as articulações e de certa forma obter mais qualidade de vida, no dia-a-dia, através da administração de injeções de forma regular, em casa ou no hospital.
No tratamento curativo, o objetivo é reduzir a hemorragia e de a parar, quando esta não pode ser parada com os meios hemostáticos disponíveis.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *